Doar - vender - render

via
Todo ano que se inicia, faço uma faxina nos armários e gavetas do apê. Geralmente tenho duas opções: coloco o que não quero no lixo reciclado do condomínio ou vendo as roupas e sapatos que estão em excelentes condições para o brechó.

Pode parecer egoísmo não doar o que não quero para alguma instituição - embora essa seja a atitude mais comum da maioria das pessoas -, mas quando as roupas estão seminovas e a onda dos brechós estão super em alta, vale a pensar em fazer um escambo ou receber uns trocados.
Abrindo um parênteses: já doei muitas roupas e calçados (peças que estava em excelentes condições de uso porque engordei ou enjoei mesmo) e numa das vezes que fiz isso, minhas roupas não foram doadas e sim, usadas por quem coordenava essas instituições. Fiquei decepcionada; porque doar é esperar que alguém que necessite receba com alegria e faça bom proveito - ao contrário de quem não precisa.  

Com o saco de roupas dentro do porta-malas desde o dia 02, pesquisei na internet os possíveis brechós existentes em Itajaí. Sábado passado fui até o principal que está no centro da cidade e o dono me informou que só compra as roupas na quarta-feira. À tarde, eu e o esposo voltamos no centro para bater perna em algumas lojas e na volta para casa, passamos por um brechó pequeno e simples. Já que estávamos ali, resolvemos parar e perguntar se o dono comprava minhas roupas. Após analisar todas as peças, me surpreendi por receber um bom dindim por elas e fiquei satisfeita com o valor obtido.

Comentei com a Aline sobre a venda das roupas, e ela me falou que tem várias peças de marcas famosas em excelente estado "parada" no guarda-roupa. Como ainda não vi por aqui um "brechó chique" (loja física), dei a sugestão dos que existem na internet.

Quando passei o Natal na casa da amiga Layla, ela me mostrou seu guarda-roupa: 80% das roupas é do brechó.  Fiquei passada com tantas peças lindas e novas; e já combinamos que num fim de semana vou para lá para ela me levar nestes brechós - segundo ela os melhores são os de bairros.

Ainda bem que não acumulo e me apego às coisas (de acordo com especialistas, se você não usa algo há dois anos, não usará mais). Até já aconteceu de ter doado ou jogado fora certo objeto e precisar dele depois, e mesmo assim não senti culpa - comprei outro melhor. Tenho comigo que se algo não dá pra mim, poderá servir para outra pessoa.

Chegou a nova Air Fryer Mondial 220V

Definitivamente a internet é uma excelente ferramenta quando o assunto é "reclamar sobre a insatisfação de um serviço ou produto". Se hoje não tivéssemos "voz" para relatar sobre estes problemas, talvez eles não teriam solução. 

Em duas postagens atrás, comentei aqui que recebemos uma Air Fryer com a voltagem 110 ou invés de 220. No sábado em que o esposo ficou no telefone a manhã toda tentando resolver a situação, teve a informação de que a fritadeira não poderia ser trocada porque o prazo de 7 dias já tinha expirado. Insatisfeito com a resposta, na segunda-feira ele foi ao PROCON para se certificar dos nossos direitos e de acordo com o órgão, era de responsabilidade do Submarino realizar a troca. Recorremos então ao Reclame Aqui. O Fred relatou no site desde o momento da compra, até os telefonemas com o fornecedor - para ler na íntegra o texto clique aqui

Na terça-feira, o Submarino entrou em contato com o esposo por e-mail, solicitando que a Air Fryer fosse embalada para que no dia seguinte pela manhã, os Correios recolhessem o produto no nosso endereço. O responsável pela entrega foi o zelador do condomínio, pois estávamos trabalhando no momento. Quando chegamos em casa, tinha um canhoto dos Correios assinado por ele, constando que o produto foi recolhido. Com isso, Fred o escaneou e respondeu o e-mail para o Submarino; que retornou dizendo que estariam providenciando o envio de outro aparelho. 

Na última quinta (15), a Air Fryer 220V chegou. De imediato testamos a fritadeira com aipim congelado. O resultado foi surpreendente: crocante por fora e macio por dentro. Ela faz barulho quando está trabalhando (o que a outra não fazia devido a baixa potência) e em 10 minutos preparou o alimento, deixando-o dourado por inteiro - esqueci de bater foto, porque a empolgação era muita rs.



Dia seguinte fomos fazer compras e colocamos no carrinho um pacotão de batatas congeladas. Quando chegamos em casa, liguei a Air Fryer a 200ºC para aquecer por 5 minutos e coloquei as batatas na cesta (descongeladas e secas com papel toalha). Cinco minutos depois, abri a gaveta, sacudi e recoloquei a cesta. Esperei mais cinco minutos e o resultado foi este: 





Confesso que fiquei admirada com o resultado. Realmente elas parecem batatas de lanchonete (crocante e macia), porém, sem óleo.

Para o almoço de ontem, preparei frango à milanesa. Antes usava uma frigideira cheia de óleo e ficava uma bagunça no fogão. Agora com a Air Fryer Mondial olhe só como é:


Dourado por fora, com a casquinha crocante e suculento por dentro.


Apesar de todo transtorno, ansiedade e cruzando os dedos para tudo dar certo, recebemos o produto correto que compramos. Estou super satisfeita com a Air Fryer Mondial 220V e com o Reclame Aqui. Tenho certeza que se não fosse por este site, perderíamos nosso dinheiro.

Que se inicie a coleção!

Algum tempo atrás, resolvi que iniciaria uma coleção de pratos para pendurar na parede - a ideia surgiu, ao acessar diversos sites de decoração e também, ao ver a parede de pratos da cunhada Gabriella. 

Os dias foram passando, nenhum prato eu encontrei pelo caminho, mas mesmo assim, a vontade de tê-los na parede do apê não me saia da cabeça. Nas nossas idas ao supermercado e lojas de decoração, eu e o esposo sempre passeávamos pela seção de louças para encontrar uns pratos bacanudos e dar o ponta pé inicial na coleção, só que nada me agradava. 

Numa ida ao supermercado, a promoção na sessão de sucos era a seguinte: "Leve 10 pacotes e ganhe um prato para bolo" (de imediato imaginei que seria um prato grande, daqueles que servem para colocar o bolo após ser desenformado). Quando peguei meu brinde, nem me decepcionei, pois na hora imaginei ele na parede. 

O esposo ficou encarregado de comprar o arame e fazer o suporte; e ontem quando cheguei em casa, ele me falou que o prato iria para a parede. 

O método para fazer o suporte é super simples. Primeiro dobra-se uma das pontas. O arame de cima é um pouco maior que o de baixo, pois tem um gancho próprio para pendurar no prego. Após fazer o gancho, a outra ponta do arame é dobrada. 



O arame de baixo fica sobreposto no de cima para segurar a parte inferior do prato. Desta maneira, também serve para "travar" o gancho, evitando que ele suba.





Por enquanto meu prato está fazendo companhia para o espelho. Se bem que o melhor por ele já foi feito. Aos poucos, vou continuando a coleção... Se encontrar algum prato legal por aí, já sei o que fazer com ele. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Eu, eu mesma, Gabrielle ©Todos os Direitos Reservados.
Layout por Travessura de menina I Programação por Heart Ideas - soluções criativas.